AMAR É ATITUDE | por Gianni Vieira



Sábado a noite, sentado à mesa com minha esposa, conversávamos sobre amor. É, 15 anos de casados e acredite, nós conversamos sobre amor. Nossa história é repleta de momentos em que o amor foi muito exercitado. Ao final da conversa cheguei a conclusão que partilho agora com vocês.


O amor para ser duradouro e prazeroso precisa ser exercitado, precisa de ação, atitude. Existem várias “vidas” em cada um de nós, existe a sua vida financeira, amorosa, social, espiritual, comunitária, profissional, e tantas outras e tenha certeza em todas elas, que formam o que você é, o amor de alguma forma é vivido. Pela correria dos nossos dias, acabamos focando mais em uma ou duas dessas vidas e acabamos deixando de lado as outras, isso explica porque algumas pessoas conseguem sucesso na vida profissional, mas acabam deixando de lado sua família para isso, por exemplo.

Fato é que em todas estas vidas estamos cercados por pessoas que também querem amar e serem amadas. Reconhecer que cada pessoa tem uma história singular é importante para abrir caminho e amar ao próximo. A estrutura familiar que cada um teve, a educação que recebeu, a situação financeira, os traumas, os medos, as felicidades que teve, os momentos desafiadores que passou, as oportunidades que aproveitou ou deixou de aproveitar e por aí vai.

Aqui cabe uma pergunta, para você que leu até aqui e quer confrontar estas informações com um relacionamento em especial: será que eu já considerei estas variáveis nesta pessoa com quem estou me relacionando?

Chegamos, enfim, a minha conclusão. São muitas pessoas com quem nos relacionamos em todas as “vidas” que formam a nossa vida, então como transformar amor em atitude? Bom, o pontapé inicial você já deu quando decidiu parar e refletir sobre a pessoa que te veio a mente no parágrafo anterior. Já é um bom começo. Agora, cabe outras reflexões que só você pode responder:

O que tenho amado? A pessoa ou sua utilidade pra mim?

Você tem se esforçado em fazer o outro feliz?

Você tem matado quanto de você pra isso?

Isso tem me realizado?

Posso fazer mais ou preciso amar menos os outros e me amar mais?

Como agir para que os momentos bons com esta ou estas pessoas possam ser mais duradouros?

O que gostaria de sentir ao me relacionar com esta pessoa ou pessoas?

O que não gostaria de sentir ao me relacionar com esta pessoa ou pessoas?

O que efetivamente posso fazer para não ficar apenas na conversa?

Lembre-se o amor é um algo sublime, divino, que transcende muitas vezes a razão humana, que tem o poder de nos tornar melhor do que possamos imaginar e capazes de coisas que sem explicação. É um sentimento que para sentirmos na plenitude precisamos transformá-lo em atitude. Pode não ser fácil, mas é muitíssimo recompensador.

Finalizo com uma frase de Madre Tereza de Calcutá: “Um coração feliz é o resultado inevitável de um coração ardente de amor.”

Acredite, viva e pratique o amor em todas as áreas da sua vida. Você vai dar mais sabor e cor a sua vida. Depois me conta o resultado.


Um abraço.





Gianni Vieira - Professional & Self Coach e Analista Comportamental pelo IBC Coaching, graduado em Produção Publicitária, Empreteco e especialista em Inovação pelo SEBRAE/MS. Cristão católico, ex-seminarista, fotógrafo, assessor de imprensa, radialista de FM, vendedor. Torcedor do Timão, curte todo tipo de esporte.