GAS - Grupo de Atitude Social - Me representa

Entrevistei o querido amigo e fundador do Instituto "GAS - Grupo de Atitude Social" Christian Francis Braga e é com prazer que divido com vocês.



O Instituto GAS - Grupo de Atitude Social é um coletivo que atua em São Paulo e Região Metropolitana com o objetivo de levar resgate de dignidade e amor às vidas vulneráveis das ruas, das comunidades e animais em situação de risco.


Dantas Solo: Além do GAS você ainda é músico?

Christian: "Sou sim, inclusive criei uma banda de pop que é parte da ONG e é formada por voluntários que abrem mão do recebimento dos shows em benefício da causa. Se chama Banda do GAS e tem página no instagram, inclusive, @bandadogas é como pode ser encontrada na rede".




Nasceu e cresceu onde?

Christian: "Nasci em São Paulo, em 1974. Me mudei para São José dos Campos em 1984, onde tive uma infância difícil por conta da relação abusiva com a madrasta.




Teve alguma influência religiosa ou filosófica pra desenvolver a empatia, ou é uma particularidade?

Christian: "Nasceu com a minha busca por entender o motivo de haver pessoas más no mundo e a minha recusa em ser igual e reproduzir o mesmo modelo de vida violenta e reativa. Esta busca fez eu conhecer o espiritismo (de Kardec, Chico Xavier) o que me ancorou no propósito de ter a prática do bem como principal motivo na jornada de vida.


O GAS, que é uma super sacada, começou de que forma e por quê?

Christian: "Nasceu com a minha busca por entender o motivo de haver pessoas más no mundo e a minha recusa em ser igual e reproduzir o mesmo modelo de vida violenta e reativa. Esta busca fez eu conhecer o espiritismo (de Kardec, Chico Xavier) o que me ancorou no propósito de ter a prática do bem como principal motivo na jornada de vida.


Encontrou alguma resistência de alguém ou de alguma entidade por conta desse projeto?

Christian: "Sim, sem dúvida. Toda pessoa que se compromete a fazer algo que é preciso ser feito e envolve a moral e o ego (criativo) acaba por interferir inclusive nas relações interpessoais. A maioria esmagadora - inclusive seus amigos - vão duvidar do seu propósito, vão menosprezar o que você está tentando começar e deslegitimar como puderem a realização da obra. A maioria dos meus amigos não me apoiaram no início, alguns duvidam até hoje (mesmo com vidas transformadas e milhares de atendimentos mensais), porque de fato nunca foram amigos e, principalmente, porque a maldade da distorção do propósito está neles, não em mim. Seguir adiante sem o apoio de quem você "acha" que deveria te apoiar é determinante.


O GAS, que é uma super sacada, começou de que forma e por quê?

Christian: "Minha avó incutiu na família a normalização de fazer o bem ao próximo sem julgamento, o espiritismo me mostrou o caminho de como fazer e o tempo me moldou a executar de forma recorrente e multiplicadora. O porquê é simplesmente a consciência da necessidade social. Uma vez com os olhos abertos para a injustiça social, jamais eles se fecham e, fazer ou não passa a ser uma questão de atitude e coerência com o seu propósito de vida.


O GAS é um grupo laico, a sua construção se deu a partir da recorrência das atividades de apoio (que antes eram pontuais) e da conexão de pessoas engajadas com o bem-estar social.


Tem encontrado apoio e patrocínio com facilidade? Alguém já tentou politizar o movimento?

Christian: "A arrecadação em país de terceiro mundo nunca é tarefa fácil, é preciso mostrar e demonstrar um trabalho que é feito de forma perene e sem pausas, transparente e impactante. Hoje contamos com empresas grandes de alcance nacional e internacional por conta da organização que envolve a prestação de contas e celeridade na chegada de doação ao necessitado.

Sobre a politização, o nosso trabalho é político, ele existe porque o Estado é falho, porque defendemos os direitos humanos e a cidadania, entretanto não veste a camisa de nenhum partido, porque cobramos e cobraremos qualquer um que sente nas cadeiras do poder, com armistício, mas sem proselitismo, afinal se trata de um trabalho pautado na isonomia e na honestidade.


O GAS promove a ressignificação de vidas vulneráveis, assistindo pessoas em situação de rua, famílias em comunidades de extrema fragilidade social e animais em situação de risco, assim como a construção de um novo modo de ajudar ao próximo, potencializando saberes do voluntário, trazendo o resgate mútuo de propósito de vida entre assistidos e assistentes.

Qual o futuro do GAS? Existe como liberar franquias da marca e expandir o movimento?

Christian: "É construir um núcleo de reabilitação para pessoas em situação de rua que sofram com o vício no álcool e outras drogas, assim como a construção de um canil para o resgate animal, conectando ambas as causas em laborterapia. Este ano começa a nossa corrida atrás de 4 milhões de reais para por o plano em pé e funcionando, para a capacidade de 100 pessoas e 200 animais.

A franquia não se libera, mas a expansão sim. Já estamos no Rio de Janeiro com o GAS Rio, a ideia é ir para toda a parte como organização única não franqueada.


As pessoas que foram e são ajudadas tem dado um feedback?

Sim, porque nosso contato com elas é frequente, tanto na rua como nas 15 comunidades que apoiamos mensalmente com alimentos e itens de higiene e fraldas para evitar que se lancem às ruas.


Vídeos


Links do GAS nas redes sociais

https://www.youtube.com/channel/UCUxx028tfZxC7e8z1NalFeA

https://www.facebook.com/grupogas

https://www.instagram.com/institutogas/?hl=pt-br



Obrigado Christian!

Que a luz continue te guiando e muito sucesso sempre!


Dantas Sólo - Da redação